Frutas Frescas

Hoje estava voltando pra casa e vi uma cena que me trouxe uma série de pensamentos inexplicáveis à mente. Coisas grandiosas demais para serem originadas por uma cena tão banal e corriqueira. Vi uma mulher comprando frutas frescas num caminhão cheio de frutas frescas no meio da rua, sendo atendida pelo homem vendedor de frutas frescas. Eu estava (situação assustadoramente comum já há alguns anos) sem dinheiro. O mês nem bem começou e já não tenho mais notícias do meu salário. Ele desapareceu sem deixar pistas. Mas, pelo menos ele existe já passei bons meses apenas apoiado na boa fé e nos bicos.

Mas, o que me intrigou foi o fato de que, mesmo que eu quisesse, não poderia comprar as frutas frescas tão bonitas e chamativas no meio da rua, porque eu não tinha dinheiro sobrando. Exatamente. Não tinha dinheiro sobrando. Eu pensei tudo isso dentro do meu carro, ouvindo o som que comprei em varias prestações, indo para minha casa comer alguma coisa, e depois dormir na minha quente a aconchegante cama de colchão batido (os melhores), e me cobrir com meu grande e sedoso edredom, doado é verdade, mas meu agora.

Minha situação era diferente da daquela mulher. Ela, aparentemente, tinha dinheiro para se deliciar com frutas frescas, eu não, e milhões de outros cidadãos brasileiros nem sabem o que é uma fruta fresca. Eu sou um privilegiado. Posso estar ganhando mal, mas ao menos tenho um emprego. Posso não estar conseguindo pagar a continuidade dos meus estudos, mas já tenho duas faculdades. Posso não comer frutas frescas todo dia, mas tenho sempre uma laranja ou uma banana sobrando na cozinha.

Sempre tem alguém melhor que a gente, porém, sempre tem alguém pior também. Cabe a cada um de nós viver o mal devido a cada dia. Já diz o “não entendido” livro de “capa preta sacra”: “Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. (Mt 6:34) Sem esperar por muita coisa. Sem grandes aspirações. Sem grandes desejos de ficar milionário. Sem ambição de ser rico e famoso. Sem desejo de buscar viver e ter sempre prazer. Sem querer sempre tirar proveito. Sem querer ser melhor e ter mais que o outro. Pois quem almeja tudo isso está longe de conhecer ou entender o cristianismo.

Ser cristão é agradecer pela laranja adormecida e pela banana já quase marrom. Ser cristão é se alegrar na vitória do outro, e torcer pelo inimigo. Ser cristão é querer ter sempre um, pois se tenho dois, um deve ser dado ao próximo que nada tem, se tenho só um, reparto com ele. Ser cristão é preferir o anonimato, ainda mais se faço o bem. Ser cristão é celebrar a derrota, e dar glórias na dor. Sem cristão é buscar ser parecido com o Cristo.

E buscando isso eu sigo minha jornada. Triste por não ter condições  de chegar em casa com uma sacola de frutas frescas, mas extremamente grato por ter uma casa para chegar. Feliz por ter amigos, família e muitos irmãos.

Eu abri mão de uma vida de prazer, mas como disse o cara que é tão difícil de imitar um dia: “E Pedro começou a dizer-lhe: Eis que nós tudo deixamos, e te seguimos. E  Jesus, respondendo, disse: Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho, que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no século futuro a vida eterna. (Mc 10:28-30)”

Como da pra ver, não tem dinheiro na parada. Não tem conforto na jogada. Não tem bonança no esquema, tampouco se lê cura ou prosperidade nisso. Tem amor e apoio. Só o que eu preciso. E no século vindouro (bem provavelmente depois que eu morrer), o bem maior.

Eu sigo aguardando. Procurando ao máximo agradecer pelas frutas, frescas ou não.

 Soli Deo Gloria

Comentários

Luís disse…
Por isso sempre agradeço o q tenho...divido o pouco q tenho, q diante da maioria e muito...se pudessemos ajudar todos era otimo mas procuro ajudar pelo menos alguns q estejam ao meu alcance quando posso...